Entenda como o calor pode causar estresse no gado leiteiro

4 minutos para ler

Você que é pecuarista e se preocupa em manter a qualidade do seu rebanho de gado leiteiro deve ficar atento quanto às temperaturas do próximo verão.

O calor excessivo costuma causar prejuízos na produção de leite e também em diversos outros fatores que influenciam indiretamente seu negócio. Assim, algumas providências devem ser tomadas para amenizar os impactos na sua criação de gado antes que eles aconteçam.

Por isso criamos esse texto para ajudar você a administrar melhor sua fazenda e a potencializar o seu lucro. Confira o conteúdo na íntegra!

Por que cuidar do gado leiteiro no verão?

A grande consequência gerada pelo calor intenso sobre o seu rebanho é, na realidade, o desconforto que os animais sentem. Durante dias muito quentes, eles produzem cortisol, um hormônio ligado ao desenvolvimento do estresse.

Em altas temperaturas, os bovinos também bebem muita água em função da termorregulação do corpo. Isso gera um nível maior de sudorese, fazendo-os perder líquido e sais minerais que são importantes para a produção de leite.

Quais são os prejuízos causados pelo calor?

O clima tropical do Brasil pode ser bom para o cultivo do pasto, mas para a criação de gado é um grande risco.

As temperaturas elevadas durante o verão, além da alta umidade do ar, influenciam diretamente na produção de leite e na reprodução das vacas leiteiras. Quando o seu rebanho está “estressado” por causa do calor, ele produz menos leite e com uma qualidade inferior.

Outra consequência gerada por altos índices de temperatura corpórea nos animais é a diminuição da produção de sêmen. Processo similar acontece na fêmea, que passa a produzir ovócitos de baixa qualidade, dificultando dessa maneira a fecundação.

Como diminuir o estresse durante o verão?

Se você entendeu que o estresse causado pelo calor é um problema real para a sua criação de gado, é hora de tomar alguma providência e tentar não sofrer prejuízos durante esse período do ano.

Geralmente são utilizadas três estratégias para diminuir os efeitos do estresse gerado pelo calor em gado leiteiro. São elas:

  • alteração do ambiente físico;
  • seleção genética;
  • manejo nutricional.

Alteração do ambiente físico

Em criações modernas são utilizados equipamentos para produzir vapor d’água e ventilação. Esse método apresenta bons resultados com um bom planejamento, pois todo o aparato é instalado em locais estratégicos, como na saída da sala de ordenha — onde costuma existir maior aglomeração do rebanho.

Uma boa ideia é conciliar a pastagem com áreas arborizadas. Isso diminui o estresse térmico dos animais e também serve como fonte alternativa de renda por meio da produção de frutas e madeira.

Você também pode utilizar alternativas artificiais além de árvores para produzir sombra. Tendas e sombrites servem para tal função, mas sozinhas não são suficientes para conservar a temperatura corporal dos animais.

Seleção genética

Cruzamentos de raças favorecem a adaptação dos animais em ambientes quentes. Existe, por exemplo, a linhagem Girolando, que é resultado do cruzamento da raça Gir com a raça Holandês, apresentado aspecto mais robusto e mantendo boa produtividade de leite mesmo em climas quentes.

Manejo nutricional

Para realizar um bom manejo nutricional do seu gado durante o verão, alimente-os mais vezes ao dia, diminuindo a quantidade de alimento em cada refeição.

Estimule a dieta e evite que o alimento aqueça ou deteriore. Também é bom observar frequentemente os efeitos do calor e da umidade sobre a dieta dos animais.

Agora que você já sabe tudo sobre os efeitos do calor sobre o gado leiteiro, não vai querer ficar para trás na sua produção. Comece a cuidar melhor do seu rebanho o quanto antes.

Gostou do nosso texto? Então siga a Rural Vende no Facebook: lá você encontra o melhor conteúdo para o pecuarista.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-