Como reduzir os danos causados pelas mudanças climáticas no campo?

4 minutos para ler

Clima e agricultura são dois conceitos indissolúveis. Primeiro, porque a atividade agrícola é dependente dos fatores do meio ambiente (chuvas, temperatura, fertilidade do solo) e, segundo, porque ela é uma das causas das mudanças climáticas no mundo.

Em meio a essa situação, o agricultor enfrenta desafios para contornar os efeitos sobre as plantações, reduzir os prejuízos e seguir produzindo para suprir as demandas da população.

Nesse contexto, quais são as consequências que as mudanças climáticas causam no campo? O que pode ser feito para minimizar seus danos e manter a produtividade no negócio? Continue conosco e entenda! Boa leitura!

Quais são as principais consequências das mudanças climáticas?

Os impactos na agricultura gerados pelo aquecimento global são sentidos no Brasil e no mundo. A emissão excessiva de gases poluentes, a degradação dos ecossistemas e a elevação da temperatura dos oceanos alteram os ciclos naturais das chuvas, por exemplo — o que acarreta em condições de temperatura e umidade atípicas nas regiões.

Essas transformações alteram as necessidades no manejo das culturas (como quantidade e frequência de irrigação e fertilizantes), além de modificar os períodos de plantio e colheita. O que é sentido pelo produtor em campo é refletido nos números. A área regada do país reduziu 30%, em 2017, e a estimativa é de mais de 50% da área sem regas para este ano.

A Agência Nacional de Águas (ANA) divulgou um relatório revelando que, ao longo de um período de 13 anos, os episódios de calamidade pública devido à seca cresceram 409% no país. A estiagem severa causa um enorme prejuízo na balança comercial, mas, principalmente, na vida do produtor rural e dos cidadãos que dependem do seu trabalho.

Prepare-se para a próxima safra

Como é possível reduzir os danos causados pelas mudanças climáticas?

Apesar das consequências alarmantes das mudanças climáticas no campo, existem práticas agrícolas sustentáveis que utilizam os recursos de maneira racional, diminuem a emissão de gases poluentes e melhoram o manejo das culturas. Com isso, o agricultor contorna uma série de problemas e garante a produtividade da lavoura. Vejamos:

Investir em cultivos adaptados ao semiárido

As plantas precisam de condições específicas de temperatura, umidade e iluminação para germinar, crescer, florescer e frutificar. É importante que o produtor invista em plantas que sejam naturalmente tolerantes à seca ou procure variedades genéticas desenvolvidas para serem mais resistentes à falta de água ou que tenham seus ciclos vegetativos modificados.

Ampliar o sistema de plantio direto

Nesse sistema, o solo não é preparado de maneira tradicional (aração e gradagem) e são preservadas as plantas em desenvolvimento e os resíduos vegetais (palha).

Essa cobertura orgânica protege o solo do impacto direto das intempéries (chuva e erosões), além de preservar a umidade, conservar suas propriedades, aumentar a eficácia da adubação e reduzir o uso de defensivos agrícolas.

Integrar atividades

Integrar as atividades pecuária, agrícola e florestal é uma maneira sustentável de utilização dos recursos. Por meio de cultivos consorciados, rotacionados ou de sucessão, é possível aproveitar as vantagens de cada prática.

A plantação de eucaliptos e pinus, por exemplo, que ajuda na filtragem do dióxido de carbono da atmosfera, pode ser fonte de renda para o agricultor.

Prepare-se para a próxima safra

Investir em tecnologia

Existem no mercado equipamentos para o monitoramento do microclima da área e da umidade do solo. As ferramentas da agricultura de precisão permitem analisar (com softwares) as condições do solo e do clima, auxiliando o produtor nas tomadas de decisões sobre o plantio, a adubação, aplicação de defensores agrícolas, irrigação e colheita.

Assim, as tarefas são realizadas de maneira mais eficiente, evitando desperdícios, reduzindo os custos e o impacto ambiental.

Métodos de cultivo não convencionais, como a hidroponia, também são uma opção para o agricultor. A técnica controla as condições ambientais dentro da estufa e não deixa o negócio vulnerável às intempéries.

Há séculos, as ações humanas têm intensificado as alterações no clima do planeta. O produtor rural tem sentido suas consequências e, aquele que tiver consciência da sua responsabilidade ambiental e adotar um modo de produção mais sustentável, terá êxito no negócio e contornará facilmente as adversidades.

Nossas dicas sobre como enfrentar as mudanças climáticas no campo foram úteis para você? Então siga nosso perfil no Facebook para continuar se atualizando sobre o mundo no campo!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-