Afinal, quanto vale investir no segmento de produtos orgânicos?

4 minutos para ler

O mercado de produtos orgânicos está em expansão no Brasil. Para este ano, a previsão é de que o país tenha crescimento em torno de 20% de novos produtos, segundo o Conselho Brasileiro da Produção Orgânica e Sustentável (Organis). Essa tendência é alavancada pela busca de uma alimentação mais saudável pela população, livre de agrotóxicos.

Quer saber mais? Então confira o post que preparamos para você!

Panorama do mercado de orgânicos

A Organis aponta que 15% da população das grandes capitais brasileiras compra orgânicos com regularidade, no entanto, a oferta dos produtos no mercado ainda não é suficiente para atender à demanda. Uma das razões associadas a esse fato é que 70% da produção atual de orgânicos no Brasil é exportada para a Europa, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).

Assim, o desequilíbrio entre oferta e demanda de alimentos orgânicos oferece uma boa oportunidade de negócio aos produtores agrícolas. Os benefícios à saúde associados ao consumo desses alimentos constituem o principal fator que leva o consumidor a comprá-los, segundo pesquisa realizada pela Organis em 2017.

A sustentabilidade do processo de produção dos alimentos também vem despertando interesse nos consumidores. Ao não utilizar agroquímicos e insumos sintéticos, não se contribui com a contaminação das águas e do solo, reduzindo assim o impacto ambiental dos cultivos orgânicos em relação à agricultura convencional.

Na pesquisa realizada pela Organis, entre os consumidores, uma parcela também relatou ter a percepção de que alimentos orgânicos são mais saborosos, sendo esse mais um fator decisivo na compra.

O diferencial para o seu negócio

Investir em produção orgânica é uma chance de se destacar num mercado cada vez mais exigente e interessado quanto a procedência dos alimentos. Para atestar a qualidade do produto, a certificação é um diferencial.

Por meio de selos reconhecidos pelo governo brasileiro e embalagens que informam a origem do alimento, o consumidor pode adquirir o produto com maior confiança. Também há benefícios para o produtor, que poderá destinar sua produção a mercados dispostos a pagar mais pelos orgânicos. Além do mercado interno, o interesse por alimentos livres de agrotóxicos também é crescente nos Estados Unidos, na Europa e no Japão.

E então, se interessou pelas perspectivas desse segmento econômico? Confira a seguir o que é preciso para planejar novos investimentos e evitar riscos.

O que é preciso saber para investir em produção orgânica

Para que um produto seja considerado orgânico, seu cultivo deve ser feito sem agrotóxicos, fertilizantes químicos e outros insumos sintéticos. Por isso, técnicas de produção específicas precisam ser adotadas para garantir o sucesso na hora da colheita.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulga conhecimentos úteis para auxiliar os produtores no cultivo. O projeto “Fichas Agroecológicas: Tecnologias Apropriadas para a Produção Orgânica” oferece informações práticas para os produtores na aplicação de técnicas de plantio, adubos orgânicos e defensivos naturais.

A compostagem é uma possibilidade para garantir a fertilidade do solo e que está de acordo com as necessidades da agricultura orgânica.

Outro ponto importante é planejar a distribuição dos produtos e verificar as necessidades do mercado. Segundo pesquisa da Organis, supermercados são o principal local de compra no país, seguidos das feiras. A reunião de produtores em cooperativas é interessante para trocar informações e elaborar estratégias para o transporte dos produtos até o mercado, de forma a evitar perdas.

Assim, o investimento em produtos orgânicos é uma chance de agregar maior valor aos cultivos. Com a lacuna de oferta desses alimentos no mercado e o desejo do consumidor por produtos saudáveis e que não agridam o meio ambiente, o segmento oferece um potencial de bom retorno financeiro.

E então, essa leitura foi útil para você? Que tal compartilhar este texto nas redes sociais para encorajar mais produtores a investirem no mercado de produtos orgânicos?

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-