Tipos de irrigação: conheça as técnicas que têm dado certo

6 minutos para ler

Alguns detalhes são essenciais para conseguir um cultivo de qualidade, melhorando a produtividade e potencializando as possibilidades de conseguir produtos com características que agradarão os seus clientes.

Para ter sucesso no agronegócio, é importante utilizar os métodos corretos, como a irrigação. Continue lendo e conheça os principais tipos de irrigação. Tire suas dúvidas sobre o assunto e escolha aquele que mais adequado ao perfil de plantio da sua propriedade!

Irrigação de superfície

A água, nesse caso, é conduzida a se infiltrar pelo solo da superfície, por meio de sulcos na região ou inundações. Ele é bastante aplicado na região sul do país e, principalmente, no plantio de arroz.

Uma de suas principais vantagens é o baixo custo de energia para o seu uso, bem como o fato de ser um método de baixa manutenção, além de não sofrer nenhuma influência do curso dos ventos. Permite, também, o aumento da fotossíntese nas folhas mais baixas, principalmente pelas inundações gerarem uma espécie de espelho, refletindo a luz e conduzindo aos locais mais próximos ao solo.

Porém, como desvantagem, há o aumento da água parada que, além de causar danos no plantio a longo prazo, também gera uma dependência do declive do solo para ser eficiente, bem como aumenta a erosão dos sulcos. Também gera perda de água por percolação.

Irrigação localizada

É uma das técnicas de irrigação mais conhecidas e utilizadas nas propriedades destinadas ao agronegócio, principalmente em regiões que tenham uma maior tendência a solos mais secos e áridos.

Nesse caso, a água é aplicada, principalmente, nas raízes das plantas, irrigando a região ao redor, formando um círculo úmido ao redor delas, atingindo uma maior profundidade. É bastante utilizada, principalmente, no plantio de árvores frutíferas.

Uma de suas vantagens é a eficiência na aplicação, e não precisa ser modificado de acordo com mudanças de vento e no solo. Também é bastante utilizado para aplicação de fertilizantes, como a fertirrigação.

Ele é bem econômico, levando a uma economia de 90% no uso de água, em comparação com os demais métodos. Além disso, há pouca perda por evaporação, garantindo maior aproveitamento. Outro ponto positivo é ser um método que pode ser adaptado facilmente aos mais diferentes tipos de solo, bem como o mantém uniformemente úmido e oxigenado.

Já como desvantagem, deve-se ressaltar que é um método mais custoso para sua implementação, já que é necessário instalar diversas tubulações na região. Outro ponto é a manutenção que pode ser constante, devido à facilidade de entupimento dos canais de saída de água.

Outra desvantagem que pode impactar o plantio, dependendo do perfil das plantas que esteja cultivando, é a diminuição da profundidade das raízes, derivado da constante disponibilidade de água, diminuindo a estabilidade delas.

Irrigação por aspersão

Esse método simula uma espécie de chuva, de forma direcionada, jorrando gotículas de água no solo. É feito por meio de um aspersor, que expele água para o ar e, por meio de resistência aerodinâmica, transforma-se em gotículas que caem no solo.

Normalmente, é utilizado em locais que estejam sujeitos à declive do solo, não sendo viável em locais muito inclinados. É vantajoso por ser um meio que tem um baixo custo de mão de obra para implementação e a distribuição de água é mais eficiente, principalmente por simular um processo natural. Também pode ser utilizado para fertirrigação.

Uma desvantagem é que não pode ser usado em solos mais inclinados. Também deve ser aplicado por quem tenha um conhecimento técnico mais apurado para garantir melhores resultados.

Outro ponto negativo dessa técnica é elevar a propensão de doenças e pragas, já que as folhagens permanecem úmidas todo o tempo. Ela também é limitada pelo direcionamento dos ventos e tem custos elevados de energia e manutenção para seu uso constante.

Fertirrigação

Essa técnica une a irrigação à fertilização do solo, aplicando fertilizantes na água. Assim, você poupa tempo e realiza dois procedimentos em um só, proporcionando economia e redução de gastos.

Também podemos acrescentar como vantagem para a utilização da fertirrigação a possibilidade de aplicar os fertilizantes na mesma área em que está sendo aplicada a água, aumentando a disponibilidade de terreno para cultura (já que não é preciso usar dois sistemas diferentes, o que ocuparia um maior espaço).

Outro ponto positivo é, devido à facilidade, aumentar a frequência de aplicação de fertilizantes, diminuindo possíveis perdas, elevando a eficiência do plantio e garantindo safras mais saudáveis e que trarão bons retornos financeiros, bem como conquistar a confiança dos seus clientes.

Além de utilizar os métodos de irrigação que falamos acima, a fertirrigação também pode ser feita por meio de injeções de fertilizantes e uso de bombas injetoras.

Um ponto importante a ser ressaltado é que não se pode aplicar o fertilizante no início da aplicação de água, de forma que o sistema entre em equilíbrio com o hidráulico. A periodicidade da aplicação está diretamente relacionada com a curva de absorção de nutrientes de cada tipo de plantio e o sistema de irrigação utilizado.

Microaspersão

A microaspersão é uma técnica de irrigação semelhante à irrigação por aspersão, porém, feita de forma bem mais suave. Ela segue os mesmos moldes: são dispersos no ar gotículas de água, que chegam ao solo como se fosse uma espécie de garoa suave.

São utilizadas ferramentas com asas giratórias (ou “bailarinas”). Normalmente, esse método é aplicado em plantios mais delicados e, também, em locais fechados, como estufas, viveiros telados e, também, em alguns tipos de plantios de frutíferas.

Em relação as vantagens e desvantagens, também é bem semelhante à irrigação por aspersão: tem boa eficiência (de cada 100 litros dispersos, 95 são absorvidos e aproveitados no plantio), funciona com baixa pressão, economizando energia e possibilita o uso para fertirrigação.

Da mesma forma, tem como desvantagem o alto custo de implementação inicial, porém, compensa posteriormente com a economia a longo prazo com o uso do método.

Para escolher os melhores tipos de irrigação para sua fazenda, é essencial avaliar a espécie de solo, terreno e o plantio que está implementando no local. Cada um desses pontos indicará qual é a modalidade ideal, garantindo sucesso nos seus cultivos e gerando boas safras.

Quer receber mais dicas de como impulsionar seu agronegócio? Siga nossos canais no FacebookInstagramYouTube e Twitter e fique atento aos nossos conteúdos.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-