Vacinas para equinos: você conhece as principais? Confira!

6 minutos para ler

Você gosta de cuidar muito bem dos seus cavalos, não é mesmo? Pois saiba que existe um aspecto muito importante desse cuidado: a vacinação.

As legislações sobre as vacinas obrigatórias variam de Estado para Estado no Brasil. Entretanto, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento — MAPA recomenda nacionalmente que os produtores vacinem seus animais contra a influenza equina, a gripe. O atestado de vacinação contra essa doença é essencial para que o transporte dos animais possa acontecer.

Conhecer a importância das vacinas para equinos, quando e com que frequência elas são necessárias é fundamental para garantir a saúde dos seus animais. E é exatamente o que você vai aprender no artigo de hoje. Confira!

Importância das vacinas para equinos

Mesmo que outras vacinas para equinos não sejam necessariamente obrigatórias, elas são extremamente importantes para a manutenção da saúde de todos os animais.

Com o aumento do fluxo de animais por todo o território nacional e internacional, as doenças se espalham cada vez com mais facilidade.

Por esse motivo, é essencial que você esteja com a vacinação da sua tropa em dia. Muitas feiras e exposições, inclusive, só permitem a entrada e a participação de animais com vacinação em dia contra as mais diversas doenças.

Veja a seguir quais são as vacinas mais importantes a serem aplicadas nos seus animais!

Principais vacinas

Influenza equina

Quando você for transportar seus equinos em qualquer localidade do território nacional, precisará do atestado de vacinação contra a influenza equina, ou gripe. Porém, esse não é o único motivo pelo qual você deve manter a vacinação em dia.

A influenza equina é uma doença contagiosa e de fácil propagação. Causada por vírus, ela ataca equinos de qualquer idade, sexo e raça, daí os motivos pelos quais você precisa ter cuidados redobrados!

A vacina deve ser aplicada anualmente nos equinos adultos e éguas prenhas. Nelas, pode-se aplicar uma dose extra trinta dias antes do parto para melhorar a imunidade do potro ao nascer. Nos potros, a vacinação deve ser iniciada na desmama, com aplicação da segunda dose trinta dias depois.

Tétano

A vacina contra o tétano não é obrigatória. Entretanto, a doença é muito perigosa para os equinos, que é uma das espécies mais suscetíveis a ela, e pode, muitas vezes, ser fatal.

A toxina causadora do tétano sobrevive no meio ambiente por muito tempo. Por esse motivo, qualquer ferimento nos cavalos pode ser um local muito propício à sua proliferação. A única forma de se assegurar de que toda sua tropa estará protegida é por meio da vacinação.

Os veterinários geralmente recomendam que as vacinas sejam aplicadas anualmente nos equinos adultos e éguas prenhas. Nelas, pode-se aplicar uma dose extra trinta dias antes do parto para melhorar a imunidade do potro quando ele nascer. Nos potros, a vacinação deve ser iniciada na desmama, com aplicação da segunda dose trinta dias depois.

Raiva equina

A raiva equina é uma doença muito perigosa. Além de não possuir tratamento, ela ainda é transmissível aos seres humanos. A vacinação é a única forma de proteger seus animais.

Os equinos geralmente são infectados pelo vírus da raiva através de mordidas de morcegos e animais silvestres, como lobos e raposas. A doença nos cavalos costuma ser silenciosa e pode levar a uma encefalomielite progressiva.

Para a sua tranquilidade, você deve aplicar as vacinas anualmente nos equinos adultos e éguas prenhas. Nos potros, a vacinação deve ser iniciada na desmama, com aplicação da segunda dose trinta dias depois.

Leptospirose equina

A leptospirose equina é uma das maiores causadoras de abortos em equinos; daí a grande necessidade de vacinar todos os cavalos contra essa doença.

Ela é provocada por uma bactéria, normalmente transmitida por ratos. A urina dos roedores pode contaminar a ração, fazendo com que a bactéria chegue até os equinos. Apesar de haver tratamento, a vacinação ainda é a forma mais eficaz de se combater a doença, especialmente nas éguas gestantes.

No protocolo mais usual, recomenda-se que, nas éguas prenhas, sejam aplicadas duas doses do antibiótico Estreptomicina no terceiro e no sexto meses de gestação.

Rinopneumonite

A rinopneumonite viral ou aborto viral é causada pelo herpesvírus equino. É uma doença muito grave, principalmente por ser infecciosa e contagiosa. Pode ser transmitida por quatro tipos diferentes de herpesvírus, sendo o EHV-1 e o EHV4 os mais importantes.

Esses dois vírus infectam mais frequentemente as fêmeas prenhas e os potros recém-nascidos. Entretanto, a doença pode atingir equinos de qualquer sexo e de qualquer idade.

Os veterinários recomendam que, nos potros, sejam aplicadas a primeira dose na desmama e a segunda após trinta dias. As fêmeas prenhas devem ser vacinadas no quinto, sétimo e nono meses de gestação. Já os equinos adultos devem receber uma dose a cada seis meses.

Encefalomielite

A encefalomielite equina é uma doença viral transmitida pelo Aedes spp. e pelo Culex spp. Ela acomete equinos de todas as idades quando picados pelos vetores contaminados.

A vacinação contra a doença é essencial, pois ela provoca inúmeros sintomas neurológicos muito graves nos equinos, como depressão, andar cambaleante e falta de coordenação motora.

O protocolo para vacinação é o mesmo para influenza, tétano e raiva. Nos adultos e éguas prenhas a vacina deve ser aplicada anualmente. Nas éguas prenhas, pode-se aplicar uma dose extra trinta dias antes do parto para melhorar a imunidade do potro quando ele nascer. Nos potros, a vacinação deve ser iniciada na desmama, com aplicação da segunda dose trinta dias depois.

Em todos os casos acima, quando se tratar de animais que nunca foram vacinados, uma segunda dose deverá ser aplicada trinta dias após a primeira. Além disso, nos potros, é necessário, além de seguir o protocolo recomendado, aplicar uma dose de reforço aos doze meses de idade.

Quanto às formas de aplicação das vacinas, lembre-se de conservá-las entre 2 ºC e 8 ºC e ao abrigo da luz solar; utilizar agulhas e seringas esterilizadas e não vacinar animais doentes ou estressados.

Principalmente, lembre-se de que é muito importante consultar sempre um veterinário de sua confiança. Ele é quem melhor saberá qual protocolo é o mais adequado para a realidade do seu rebanho equino, com base na raça que você cria, na sua fazenda e na sua região.

Gostou de conhecer as principais vacinas para equinos? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto ou tem alguma sugestão? Então, entre agora mesmo em contato conosco! Vamos adorar conhecer a sua opinião!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-