Vale a pena a aplicação noturna de defensivos agrícolas? Entenda!

7 minutos para ler

Essenciais para a agricultura moderna, os defensivos agrícolas já são utilizados há muito tempo no campo por sua praticidade e economia de tempo. Eles trazem benefícios para o segmento de alimentos no mundo inteiro, pois facilitam a produção em larga escala.

No entanto, é muito importante ter responsabilidade e cuidado ao lidar com essas substâncias, utilizando-as somente quando necessário e de forma correta.

Você, que é um produtor rural, deve procurar sempre os melhores produtos do mercado e preocupar-se com a segurança dos trabalhadores que estão em contato com substâncias tóxicas.

Criamos, então, este guia prático para orientá-lo sobre um assunto recorrente: o uso noturno de defensivos agrícolas. Esteja bem informado para realizar corretamente o trabalho na sua fazenda. Não deixe de acompanhar o texto até o final!

Saiba tudo sobre o uso noturno de defensivos agrícolas

Apresentando-se como realidade na agricultura brasileira, as aplicações noturnas de defensivos agrícolas são alternativas para condições ambientais adversas. Durante o dia, os altos índices de temperatura, a baixa umidade relativa do ar e os ventos fortes podem dificultar a ação das substâncias utilizadas nas plantações.

O período noturno, no entanto, apresenta características climáticas que propiciam a aplicação de defensivos agrícolas — são menos adversas as temperaturas, há maior umidade relativa do ar e rajadas de ventos mais amenas.

As gotas da pulverização têm tempo de vida maior à noite, pois não aquecem o suficiente para a evaporização, e o vento não as espalha tanto. Dessa forma, há maior probabilidade de o alvo biológico ser afetado.

Para realizar a aplicação com sucesso, é necessário que você compreenda as características físico-químicas dos produtos e seu mecanismo de ação, além de ter um bom conhecimento do meio ambiente da fazenda. Essa regra vale para fungicidas, herbicidas, inseticidas, reguladores de crescimento etc.

Devem ser observados a forma de absorção e de translocação, o metabolismo, e a sensibilidade do elemento de controle para uma boa eficiência biológica.

De maneira geral, as aplicações noturnas constituem-se como uma escolha viável de manejo em situações em que as condições climáticas são adversas durante o dia, como mencionado.

A sua eficiência está diretamente relacionada com a tecnologia aplicada no processo. No momento em que as condições ambientais forem favoráveis, se você estiver utilizando a tecnologia adequada e aplicando o produto certo para um determinado alvo biológico, é bem provável que a pulverização noturna seja um sucesso.

Cada caso é um caso, e não existem recomendações genéricas para todas as situações. É fundamental que o técnico responsável pelas operações avalie os fatores climáticos e empregue o melhor mecanismo para cada situação.

Entenda como se dá a aplicação de herbicidas, inseticidas e fungicidas

Você pode se questionar: “é correto aplicar herbicidas, inseticidas e fungicidas durante a noite?”. A resposta é sim, mas, para isso, é preciso compreender o mecanismo de ação de cada grupo de defensivos.

Herbicidas

As características do clima, como a temperatura, a umidade relativa do ar, a luminosidade e a velocidade do vento são cruciais para a eficiência da utilização de herbicidas em pós-emergência. A aplicação noturna é favorável quanto a esses elementos, já que apresenta menos perdas dos produtos por volatização, evaporização e fotodecomposição.

Você não deve realizar pulverizações em dias ensolarados e com ventos abaixo de 3,2 km/h. Isso é desaconselhável, pois a energia não é suficiente para depositar as gotas nos alvos. Além disso, a velocidade do vento deve estar entre 3,2 e 6,5 km/h para realizar a pulverização ideal.

A capacidade de translocação pode ser impactada fortemente, dependendo do herbicida, se a aplicação acontecer durante a noite. Aqueles que inibem o Fotossistema 1, quando aplicados durante a noite, são móveis no xilema e floema no momento em que esses herbicidas não estão ativados, criando o efeito “ação em profundidade”.

Assim, ele atua em número maior de células do interior da folha em razão da ausência de radiação solar, tornando o herbicida mais forte.

Inseticidas e fungicidas

Para saber se aplicações noturnas de inseticidas e fungicidas funcionam, é preciso entender mais sobre o inseto-praga, os patógenos e o meio ambiente. Faça as seguintes perguntas:

  • o inseto-praga é mais exposto ou menos exposto?
  • ele está sobre a superfície da folha ou sob a superfície?
  • ele está na superfície do solo ou embaixo da terra?
  • quais as condições ambientais durante a noite (umidade, temperatura, vento etc.)?

A partir dessas perguntas, você pode determinar a melhor estratégia para controlar as pragas ou patógenos:

  • o produto será sistêmico ou de contato?
  • a intensidade da calda será de baixa ou média vazão?
  • a espessura das gotas será de qual tamanho e, por consequência, qual será a pressão do vapor?
  • qual será o tipo de ponta (indução de ar, duplo, cone vazio etc.)?

Como exemplo, vamos utilizar o lagarto do cartucho na cultura do milho. Ele tem o habito de esconder-se no cartucho da planta durante os momentos de sol intenso.

Durante a noite, com as temperaturas mais amenas, esse inseto tende a sair do cartucho e manter-se exposto. Dessa forma, se o defensivo de contato for utilizado, você vai precisar de uma maior densidade de gotas, logo, é fundamental acertar o alvo com mais eficiência.

Qual dose de defensivos devo aplicar durante a noite?

Geralmente, os fabricantes de defensivos agrícolas recomendam doses que estabelecem quantidades que asseguram o controle de diversas espécies — elas têm diferentes suscetibilidades e detêm condições que diferem daquelas consideradas adequadas à ação tóxica dos produtos.

O que você precisa saber é que a recomendação de doses diferentes das que aparecem na bula é estritamente proibida. Isso pode apresentar riscos para o manejo de biótipos resistentes, porque uma dose menor contribuí para a seleção natural das pragas.

Se os fabricantes indicarem a utilização de dosagens menores, não há problemas, em razão das condições ambientais mais favoráveis para a aplicação de defensivos durante a noite.

impacto ambiental

Como se dá a aplicação de adjuvantes surfactantes durante a noite?

Reduzindo a tensão superficial da água, os surfactantes ajudam a espalhar a calda na superfície da folha.

No entanto, havendo a presença de ventos intensos, aumenta-se a probabilidade de evaporização da gota. Imaginando que o surfactante espalha melhor a água na superfície da folha, é possível pensar que ele aumenta a eficácia das aplicações noturnas, da mesma maneira que também ajuda nas aplicações realizadas durante o dia.

Você deve ficar antenado em relação à quantidade de orvalho na hora da aplicação. Aumenta-se o risco de o surfactante escorrer caso a presença de orvalho seja grande. Não é recomendada a aplicação nesse caso, pois há grande chance de você perder o produto durante o processo.

Agora, você já sabe tudo sobre o uso noturno de defensivos agrícolas. Está pronto para dar aquela engrenada na sua plantação, não é mesmo? Não se esqueça de usar mão de obra qualificada e buscar sempre o que a tecnologia pode oferecer de melhor!

Gostou do nosso texto? Se você está interessado em comprar defensivos agrícolas, acesse o site da Rural Vende e obtenha o que há de melhor para a sua fazenda.  Entre em contato com a nossa empresa e invista nos melhores produtos do mercado. Vamos lá!

Você também pode gostar

2 comentários em “Vale a pena a aplicação noturna de defensivos agrícolas? Entenda!

  1. Parabéns pelo o trabalho ,muito importante e válido esse estudo. Creio que com LEDS de iluminação nos bicos teremos uma aplicação eficaz.att. Rodrigo jr

Deixe uma resposta

-